March 27, 2017

March 10, 2017

Please reload

Posts Recentes

15 Motivos por que os desenhistas devem ser parabenizados pelo seu dia

April 15, 2017

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Joseph Campbell e a Jornada do Herói

November 22, 2016

 

Todos que estudam ou de alguma maneira se interessam pela arte de contar histórias e seus incríveis personagens deveriam  conhecer Joseph Campbell, esse incrível estudioso e conhecedor da mitologia mundial. Nascido em março de 1904, na cidade de Nova Iorque, graduado em literatura inglesa e mestre literatura medieval, foi professor universitário e durante sua trajetória fez análises profundas baseadas nas teorias do psiquiatra suíço Carl Jung.

 

Diversos roteiristas usam seus estudos que abordam o indivíduo e o mito, no desenvolvimento e na criação de seus personagens. Joseph Campbell foi amigo e consultor de George Lucas na elaboração da trilogia original de Guerra nas estrelas. Publicou diversos livros que contribuíram e contribuem até hoje para a construção do herói e sua jornada.  Dentre seus livros mais conhecidos estão “A máscara de Deus” e “O herói de mil faces”.

 

Campbell defendia que uma das principais funções dos mitos antigos era harmonizar a mente e o corpo, e que o herói simboliza nossa capacidade de controlar o selvagem irracional dentro de nós. Uma vida a ser vivida em termos de descoberta.

 

“Quando criança, você é educado num mundo de disciplina, de obediência, e é dependente dos outros. Tudo isso tem de ser superado quando você atinge a maturidade, de modo que possa viver, não em dependência, mas com uma autoridade auto responsável” Argumenta o autor em entrevista cedida a Bill Moyers.

 

De acordo com ele, na jornada do herói, em algum momento o protagonista realiza coisas que vão além de sua experiência e com isso vem a necessidade de um sacrifício, o momento onde o herói entrega sua vida por algo maior que ele mesmo.

 

A forma de construir a narrativa dos mitos se repete em várias culturas, existe uma certa seqüência de

ações heróicas que pode ser notada se compararmos estes mitos de várias partes do mundo e períodos históricos, acordo com Campbell.

 

Para ele os rituais de caça e colheita tiveram um papel importante na história da criação do mito. Os rituais serviam como “um mágico maravilhoso acordo”, entre o caçador e a caça ou a colheita. Depois eram passadas adiante, como histórias sobre os rituais e sobre os mistérios da vida para que fossem repetidas por gerações.

 

A jornada do herói não se trata de um personagem perfeito, mas de um protagonista que segue em busca de respostas para seus conflitos e na sua própria descoberta.

 

Os mitos trazem uma mensagem, histórias sobre a sabedoria da vida e ensinamentos. Segundo Campbell a chave para encontrar sua própria mitologia é saber em qual sociedade você se filia. “Toda mitologia cresceu numa certa sociedade, num campo delimitado. Então, quando as mitologias se tornam muitas, entram em colisão e em relação, se amalgamam, e assim surge uma outra mitologia, mais complexa.”

 

A jornada do herói é o caminho que vai de encontro ao abominável, mas no fim das contas o herói encontrará o centro de sua própria existência.

 

De acordo com o autor, a sociedade moderna carece de mitos que identifiquem o indivíduo, não apenas com seu grupo regional, mas com o planeta. Esse foi um dos motivos que levou Joseph Campbell a escrever sobre o assunto após retornar de uma viagem ao oriente em 1956.  Em entrevista a Bill Moyers para o documentário de 1988, o autor citou sobre uma ocasião em que foi perguntado para alunos de uma escola secundária no Broklyn sobre o que eles gostariam de ser. E dois terços desses alunos responderam o nome de alguma celebridade. O papel da celebridade muitas vezes se resume em apenas dinheiro e fama, enquanto o herói ou o mito é lembrado pelo sacrifício, à doação de sua existência por um bem maior.

 

Joseph Campbell Morreu em 1987, aos 83 anos. Mas até hoje seus estudos e pesquisas servem de inspiração para a criação do herói verdadeiro, aquele que vai além de simplesmente vencer o inimigo externo, mas vive na busca pela força , vencendo seus limites e sua própria natureza.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga